Yayoi Kusama

Exposição com título mais apropriado está difícil de achar, Yayoi Kusama: Obsessão Infinita está em cartaz no Instituto Tomie Ohtake com filas homéricas, eu não peguei uma fila muito chata, cheguei razoavelmente próximo do horário de abertura, em 2 horas vi a exposição, que achei muito legal e valeu a pena a espera.

Yayoi Kusama nasceu em Matsumoto, Japão, em 1929, a artista começou a realizar seus trabalhos nos anos 1940. Em 1957, foi para NY e entrou em contato com artistas como Donald Judd e Andy Warhol entre outros grandes nomes. Em 1973, Kusama retornou ao Japão e, desde 1977, vive voluntariamente em uma instituição psiquiátrica.

A primeira vez que vi obras da Yayoi Kusama foi participando de um projeto para a feira de arte Art+Rio e depois vi mais um pouquinho na SPArte, e eu adoro bolinhas, polka dot, e não teve como não me encantar e me intrigar com seus quadros. Mas o que fez a exposição valer a pena são as instalações, a mais incrível pra mim foi a "Filled with the Brilliance of Life", tirei algumas fotos (com celular, desculpe a qualidade) pra registrar o que mais gostei, estão na galeria abaixo.

Arte é uma super inspiração e sempre que vou em uma exposição fico pensando no que posso aprender, talvez esteja equivocada mas o modo como a artista transforma a obsessão em arte é brilhante, a leitura de seus medos e obsessões transformados em arte nos mostra que até no "dark side" é possível exprimir beleza e encontrar uma forma de transpor uma possível limitação.

A exposição fica até 27 de julho no Instituto Tomie Ohtake com entrada franca, funciona de terça a domingo das 11h às 20h, verificar nos dias de jogo do Brasil.